salvem as amas

Salvem as amas, por favor!

Por Cristele Matias

Salvem as amas, por favor! 

O momento em que deixamos os nossos filhos pela primeira vez na escola, ou na creche chega a ser mais doloroso do que o próprio parto. Tive pesadelos com ele semanas a fio, mas naquele segundo dia de Janeiro foi muito mais fácil do que havia imaginado.  

Eu tinha encontrado um tesouro! 

Muitos foram os fatores que nos levaram a escolher aquela ama e não uma creche. A idade da nossa filha, o contacto e a importância que dava à natureza e à brincadeira, a possibilidade de interagir com outras crianças mas num ambiente mais acolhedor, o espaço físico e por último e não menos importante : o coração daquela que seria a sua ama!

E foi por isso que aquele dia não foi tão duro como eu havia imaginado. 

“Anita” da minha filha tem um coração enorme. Vibra com as conquistas dela, tal como eu. E faz-se sempre presente a cada doença ou momento menos bom. Não de segunda a sexta, mas sempre!

Não é só a ama dela. Sei que é parte do coração dela. 

Um dia disseram-me “Eu nunca colocaria numa ama, tenho medo que goste mais dela do que de mim”. E apesar de compreender o medo que este comentário esconde nunca senti isso. Porque antes da mina filha amar a sua ama, já eu me havía “apaixonado” por ela primeiro. 

Ama, vem da palavra amor, de coração. Há alguma coisa mais importante do que os nossos filhos crescerem rodeados de amor e corações bonitos? 

Seria tão bom se em vez de rankings escolares pudessemos escolher quem “educa” os nossos filhos pelo coração. Porque é a partir do coração e com ele que se fazem as maiores aprendizagens da vida. 

Por isso salvem as amas, salvem os bons corações que guiam e iluminam os nossos filhos. 

A “minha ama”, guarda-la-ei como um tesouro: porque é o que ela é!