Este verão, sê a bola! Ferramentas para usares e abusares para te sentires melhor

por: Catarina Louçada

Este ano foi complicado e precisas mesmo das férias porque te sentes em baixo? Então, vou ensinar-te uma ferramenta ótima que podes usar e abusar para te sentires melhor. Se estás próximo de umas férias ou fim-de-semana prolongado, ainda melhor. É importante que tenhamos tempo para estarmos connosco. 

Vamos lá, pronta? 

Ser como uma bola

Se reparares, qualquer bola passa a vida a ser chutada, atirada, pisada… e o que é que elas fazem? Saltam! E chegam ainda mais alto do que estavam originalmente. Nós conseguimos ser uma bola, desde que saibamos como o fazer e é isso mesmo que vou partilhar contigo agora: 

1- a tua queda 

Por vezes a vida atira-nos para o chão. Estamos habituadas a pensar em situações muito fortes como a perda de um familiar, um despedimento ou uma doença, por exemplo. Mas há muito mais situações capazes de nos provocarem esta queda. Por vezes, o simples arrastar de meses e meses de pequenos problemas pode fazer com que sejamos atiradas ao chão. Pesadas… caídas… sem ânimo… certo? 

Neste primeiro passo, o que temos a fazer é assumir dois aspectos indispensáveis: 

  1. é normal cair
  2. somos feitas de material bem resistente

Na verdade, tudo é uma fase e, independentemente do que estejamos a passar, vamos passar a outra fase dentro de algum tempo. Portanto, nesta fase, podemos focar-nos em dar o salto o mais rapidamente possível e apenas isso. 

Ou seja: se tiveres de cair, não te assustes. Lembra-te que és uma bola: quando tocas o chão, ressaltas e sobes mais alto. 

O bom de épocas como o Verão é darem-nos tempo para encontrarmos a receita certa para este salto mas, sobre isto, falaremos mais à frente.

2- o embate 

Quando tocamos no chão, dói. Passamos daquele sentimento de “estou a cair” para o “isto dói a sério”. Mais uma vez, são dores que podem deixar mágoas, se não nos lembrarmos que somos feitas de material resistente. Pegando no exemplo da bola: atiramos a bola contra algo e podemos ter a certeza de que ela ficou deformada no embate, certo? Mas assim que se liberta, volta à sua forma inicial, com ainda mais energia. 

É esta imagem que queremos ter presente: mesmo que tenhamos vindo de um embate capaz de deixar marcas, podemos libertar-nos e voltar à forma inicial com ainda mais força. Não precisamos ter medo do embate porque, se reparares, se ninguém chutar a bola, ela não se mexe. Os chutos que a vida nos dá impulsionam-nos e levam-nos a uma escolha: ser bola ou ser ovo. O ovo parte no embate e fica desfeito. A bola aumenta energia e salta mais alto. 

Quando te sentires a embater num problema, questiona-te se queres ser ovo ou bola e se estiveres a precisar de mais força agora, aproveita para repetires: 

eu sou uma bola resistente que salta e ressalta. 

O truque é manteres sempre a consciência de que tens uma escolha, mesmo que ainda não saibas como a concretizar. Ninguém te pede que saibas ser uma bola, só te aconselho a que decidas ser uma porque depois a tua única questão será: “como vou usar esta experiência para dar o salto?” em vez de ficares quebrada. 

3- liberdade

Esta é a fase mais curta de todo este processo e a mais impactante. Quando tomas a decisão consciente de ser uma bola, começas a entrar nesta fase mas é o pensamento: 

“ok, como é que vou sair desta experiência?” 

que te liberta de vez. Repara que qualquer situação é apenas um facto. Os sentimentos que proporciona, dependem da pessoa que vive esse facto e da sua perspectiva. Recordo-me de vários exemplos que iriam alongar este artigo, alguns dos quais: 

  • a felicidade de um menino de bairro social que recebe os óculos velhos e riscados de um menino que os doou no âmbito de uma ação social. O que para um era lixo, para o outro era uma possibilidade. Mesmo facto: usar os óculos velhos e riscados. 
  • a felicidade de uma Cliente que descobre que “apenas” perdeu um dos seus bebés (numa gravidez gemelar em que acreditava que tinha perdido ambos… numa 3ª perda gestacional e ao fim de quase 15 anos a tentar)

Os factos afectam-nos de acordo com as nossas experiências, expectativas e, claro, perspectivas. Se nos focarmos na rentabilização de cada facto como uma possibilidade de salto, rapidamente passamos a aceitar a dor como uma ferramenta ou um gatilho. Ok, nao é rapidamente, mas é um trabalho de podemos ir fazendo aos poucos. 

A liberdade acontece quando aceitas que o facto doloroso é apenas isso mesmo: um facto presente algures na tua vida. Não define o teu passado e não determina a tua vida. Esta liberdade emocional, empodera-te e torna-te mais forte… força essa que podes usar para dar o salto. 

4- o  salto

O salto na verdade é um caminho. Somos como uma bola, ok, mas não saltamos tão rapidamente. Temos de construir a nossa subida e percorrer aquele percurso. Se tivermos este facto presente, vamos avançando com serenidade e segurança, certas de que conseguirmos chegar onde nos faz sentido, depois da experiência dolorosa. 

A questão, aliás, é mesmo esta: analisar que salto queremos dar. Repara que, depois de cairmos, não ficamos iguais ao que eramos. Mudamos. Mudamos de diversas formas, algumas mais suaves que outras. É aqui que podemos usar este tempo para nós: 

  1. para percebermos quem somos agora, depois deste processo
  2. para analisarmos o que realmente queremos
  3. para assumirmos o nosso compromisso pessoal de mudança

A bola salta, salta mais alto… mas com uma trajectória definida. Quem define o destino da bola? Podiamos dizer que é quem a chuta mas, se reparares atentamente, é na verdade o local do embate. Porque é essa base que a bola vai usar como trampolim para o seu salto. Então, quando embates, dá atenção ao que ali podes aprender para poderes usar nesta fase. 

Como podes ver, ser uma bola exige que passemos tempo connosco, que observemos o que mudou (cresceu) em nós e o que queremos agora, com mais esta experiência adquirida. Pessoalmente, adoro utilizar períodos de férias e descanso para estes encontros e recomendo-te que faças o mesmo. 

Lembra-te que a vida é plena de emoções, garante que escolhes as que te fazem mais feliz. 

Lê mais artigos da Catarina aqui

%d bloggers like this: